quinta-feira, maio 03, 2007

Atrás de um Peter Pan há sempre...

... uma Wendy, neste caso, eu!
Passo a explicar, andava nas minhas pesquisas à procura de temas/desenhos para os meus alunos, cheguei até ao Peter Pan e a partir dele descobri este texto na Wikipedia:

"(...)A Síndrome de Peter Pan tornou-se um termo psiquiátrico usado para descrever um adulto que receia os comprometimentos e/ou se recusa a agir conforme a sua idade(...)"

A coisa interessou-me, pelo óbvio.... e continuei a pesquisar por aqui.
Isto das pesquisas na net acabam por ser como as cerejas...
Pesquisa puxa pesquisa e acabo por encontrar um texto que me deu algumas explicações sobre a minha maneira de ser:
O Síndrome de Wendy (transtorno baseado na necessidade de satisfazer o próximo)

Há já algum tempo que chego a esta conclusão: um dos factores que condiciona bastante o meu comportamento é o medo do abandono, do sentimento de rejeição - medo esse que vem, muito provavelmente, do meu historial de infância/adolescência.
Depois, para evitar essas situações de rejeição/abandono, anulo-me em função da aprovação pelo outro, vivo em função do outro, completamente dependente...
Cada vez mais chego à conclusão que sou bem capaz de estar a precisar de uma ajudazinha psicológica para resolver algumas coisas que andam para aqui mal resolvidas na minha cabeça.
Adiante!
Os pontos mais relevantes do texto que encontrei, e que me levam a identificar-me com o que nele está, são:

"(...) A conduta de qualquer ‘Wendy' está baseada no medo à rejeição pessoal, no complexo de inferioridade e o impulso por agradar a todos. (...)"
"(...)Os comportamentos mais significativos de uma pessoa que sofre deste síndrome, são os seguintes:
-
Sentir-se imprescindível
- Entender que o amor é sacrifício e resignação
- Evitar a todo custo que alguém se aborreça
- Tentar continuamente fazer feliz o casal
- Insistir em fazer as coisas pela outra pessoa
- Pedir desculpa por tudo aquilo que não tem feito ou que não tem sabido fazer
- Necessidade imperiosa de cuidar dos outros(...)"

Para ultrapassar a coisa, diz ainda o texto, há que:

"(...)- Estabelecer relações equitativas com as pessoas: escutar de forma activa os problemas dos outros, mas sem se sentir obrigado a resolvê-los.
- Aumentar a auto-estima pessoal.
- Acostumar-se a dizer NÃO.
- Aprender a amadurecer, a pensar que cada um é responsável pela sua vida.
- Não assumir os deveres e responsabilidades do outro.
- Ser consciente que as mudanças de hábitos são lentas, não se produzem da noite para o dia.(...)"

E assim termino hoje o meu consultório de auto-análise / confessionário psicológico.
Bem hajam por terem paciência para "me" lerem!
(Vêem!?! Aqui está a prova da minha constante necessidade de aceitação e de agrado ao próximo)

1 comentário:

rouge 43 disse...

let the peter pan inside you fuck your wendy!!!

:)