quarta-feira, agosto 08, 2007

Fenómenos portugueses - I

Abro, aqui no meu blog, um novo espaço "Fenómenos portugueses" onde abordarei algumas coisas que me intrigam na estranha forma de vida portuguesa, resolvi começar com o fenómeno das férias de Verão. Ora aqui vai:
Agosto meteu-se!
Portugal deve ser o único país no mundo que pára durante o mês de Agosto. Gostava de entender o fenómeno, a sério! ... ou daí, talvez não...
Durante cerca de 30 dias não se faz nada, o país pára - quer seja por opção ou por obrigação (também os há, que por causa das férias dos filhos, dos fechos das empresas, etc., são forçados a parar em Agosto). Assim, quando chegamos a esta altura do ano é ver o povo em debandada geral para o sul do país, para o agora renomeado Allgarve. Ainda há quem tente percursos alternativos, mas são poucos.
Eu não gosto de tirar férias em Agosto, por várias razões, sendo a principal porque toda a gente está de férias nesta altura e todos os sítios estão cheios de barulho, de famílias, de crianças aos berros; depois tudo acaba também por ser substancialmente mais caro. Como tal, por norma e até agora desde que estou por minha conta, não faço férias em Agosto.
Ora isso traz um pequeno problema para quem, como eu, trabalha neste mês, principalmente nesta área (não sei se em outras será assim também, mas é certo que seja), é que, estando dependente do trabalho dos outros, não se consegue avançar com o seu próprio trabalho.
Ou porque as gráficas estão fechadas, ou porque o cliente foi molhar o pezinho a Albufeira e não adjudica a maquete final do trabalho, ou porque a Dra. está de férias e não aprova o layout da campanha a tempo de sair em Setembro, ou porque o Sr. Eng.º foi com o barco até ao sul de França e não revê os textos da brochura... enfim, fica tudo pendurado! Depois chega a Setembro e é vê-los a cair em catadupa, cheios de pressa em ter os trabalhos terminados.
Mas pior que existir um mês de Agosto, que faz parar um país inteiro tornando inviável qualquer evolução de carácter laboral que não tenha cariz turístico-hoteleiro, é existir a expressão infeliz "Sabe, é que agora mete-se Agosto..." - usada maiormente como justificação para estarem a trabalhar para o bronze, em vez de trabalharem para o ... trabalho?
... Agora mete-se?
Então mas este mês não está no calendário há séculos?
Que eu saiba, pelo menos desde o tempo de Octavianus Augustus (primeiro imperador Romano que, qual bicha invejosa, fez com que o mês Sextilis fosse mudado para o nome que hoje lhe conhecemos, o dele, e que tivesse igualmente 31 dias, como o mês de Julius Caesar, Julho) que Agosto figura no nosso calendário ocidental, ou seja, há cerca de dois mil anos.
E agora vem um fulanozinho qualquer dizer-me "Sabe, é que agora mete-se Agosto e fica difícil conseguir fazer o que me pede, há pouco pessoal e tal..." como se tivesse sido algo inesperado, que ele não contasse?
Lá que sejam desorganizados com o pessoal, tudo bem, até aí eu aceito!
Agora não se lembrarem, durante toda a planificação anual de trabalho, que entre Julho e Setembro existe um mês chamado Agosto e que há necessidade de, também nesse mês, fazerem-se trabalhos, aí eu já não engulo!
Existe expressão mais infeliz?
Meus amigos, Agosto está no calendário, como sempre esteve e vai estar, ele não anda por aí que nem um louco à solta a "meter-se" inesperadamente nos nossos planos, por isso organizem-se!

Sem comentários: