sábado, março 08, 2008

Dia Internacional da Mulher

Marithé et françois Girbaud Campaign - A tribute to women

Baseada na Última Ceia de Leonardo da Vinci, esta imagem pertence a uma campanha publicitária da marca Marithe et François Girbaud que há três anos atrás foi proibida judicialmente em Itália, posteriormente em França, seguida de outros tantos países europeus, por ser considerada uma blasfémia e uma ofensa à Igreja Católica. A agência de publicidade responsável pela imagem foi a Air Paris, o mote: "Tribute to Women" - um tributo à mulher.
Indignamo-nos nós, europeus tão civilizados e cultos, com as reacções dos muçulmanos às caricaturas de Maomé... somos uns cínicos! Este episódio foi muito comentado, na altura, na blogoesfera. Um exemplo aqui.
O que teria sido o mundo se, de facto, a última ceia tivesse sido assim? - pergunta retórica... e sem jeito nenhum, mas que não sei por que força desconhecida, não consegui evitar de deixar aqui.
Este tipo de espisódios provam-nos que ainda faz sentido comemorar-se o Dia Internacional da Mulher e que será comemorado ainda durante muito tempo.

2 comentários:

pinguim disse...

Magnifica foto, mas que não invalida, mesmo com os teus argumentos, que eu não concorde com a institucionalização deste dia, pois é sempre uma forma de "subalternizar" a mulher.
Abraço.

Graphic_Diary disse...

É precisamente nesse caminho que eu apontava, talvez não me tenha explicado da melhor forma.
Enquanto a mulher for tratada de modo diferente, enquanto chocar as hostes, como por exemplo através de brincadeiras publicitárias, é sinal que por muito que se hasteiem bandeiras da igualdade, mostra o quanto isso é pura hipocrisia, coisas do politicamente correcto.
Assim sendo, o dia da mulher ainda continua a fazer sentido comemorar porque a sociedade não evoluiu como deveria. Continuamos a ver a figura da mulher como uma diferença a destacar, o que já não deveria acontecer se vivessemos numa sociedade verdadeiramente plena e igual em direitos, deveres, conceitos e preconceitos para com a figura feminina.
Quando isso realmente acontecer, se acontecer, aí sim, este dia deixará de fazer sentido.
Expliquei-me melhor? Já nem sei...
Um abraço!