terça-feira, março 11, 2008

London Not So Underground

Autoria: Vadania @ flickr, 2004/01/03

Londres é uma cidade mais à frente, é moderna, tem vida, está sempre actualizada. É uma referência constante no que toca às últimas tendências no mundo da moda, da música, do design, da arte e de tantas outras manifestações culturais. Da cena underground londrina têm saído as mais diversas manifestações e formas artísticas que são depois directrizes pelo mundo fora. Esta é a ideia que tenho desta cidade, ainda não meti lá os meus pezinhos para o comprovar com os meus próprios olhos, mas já está na to do list. É por isso que fico parvo sempre que leio algo como estas duas notícias que vou referir. A realidade entra em choque com as ideias pré concebidas que tenho na cabeça, a coisa não bate certo. Ambas as notícias que vou referir não são novas e volto a elas por duas razões, a primeira porque me apetece, a segunda porque sim!

Existe um comité que gere a publicidade no Metro de Londres ou, como dizem os bifes, no "Tube" ou "London Underground" - e com isto justifico o trocadilho inteligente entre o título do post e o texto que serviu de introdução ao mesmo. No espaço de meio ano este comité foi notícia pelas razões mais tristes: por proibir a afixação de publicidade que considerou como potencialmente abusiva e ofensiva aos utilizadores diários deste meio de transporte... Basta andar pelo metro de qualquer grande cidade stressada para perceber o quão sensíveis e susceptíveis ao choque são os seus utentes. Não parece mau de todo, podemos pensar que se trata de um comité zeloso que se preocupa com os seus clientes. Agora atentemos, com muita atenção, às campanhas alvo da sua rejeição:

A primeira foi em Julho de 2007. Li inicialmente a notícia aqui. Trata-se pois então de uma publicidade da revista Gay Times alusiva às comemorações dos 40 anos da legalização da homossexualidade em terras de Sua Majestade. Começa logo aqui a ironia da coisa - proibição de algo que pretendia festejar o direito à liberdade sexual.Clicar para ampliar O argumento utilizado pelo cuidadoso comité, ao proibir a imagem da esquerda e a obrigar a malta da GT a refazer o anúncio para a opção da direita, foi que na primeira versão um dos homens do casal apresentava um, passo a citar, “unnecessary­ state of undress”. Provavelmente seria bem diferente se fosse um casal hetero na foto, talvez até se estivessem duas mulheres no lugar dos dois marmanjões. Nem vou tecer grandes comentários porque o caso não merece mais que a classificação nas categorias da estupidez e da hipocrisia. A coisa terminou com o anúncio da direita a ser aprovado para as paredes do "Tube". Imagino o balão de pensamento que colocaria no moço que ficou escondido: "Ena! Celebramos 40 anos de legalização da homossexualidade e eu tenho de me esconder atrás do meu namorado para que não se perceba muito bem se também serei um gajo ou não. Não vá a malta ficar chocada..."
A imagem inicial, da esquerda, foi capa da revista no mês de Agosto de 2007 - acabou por estar espalhada por todo o lado na mesma.

O segundo caso, mais recente, foi notícia (em inglês, no Guardian) já em meados de Fevereiro deste ano. Pelo que me apercebi em relação ao caso anterior, este teve maior eco na blogesfera nacional - alguns exemplos aqui, aqui e aqui. Clicar para ampliarA razão de tanto barulho por nada foi esta imagem aqui ao lado. Parece que o criterioso comité viu-se novamente obrigado a proibir a afixação de mais este arrojo publicitário que, pasme-se, ousou utilizar uma pintura de uma Vénus nua e sorridente para promover uma exposição na Royal Academy of Arts do pintor Lucas Cranach (o fulano pintou isto há 476 anos atrás). As razões são idênticas, não vá o sensível e vitoriano metro-transportado sentir-se ofendido com as partes do corpo humano. Cruz credo!
A exposição foi, apesar deste revés, inaugurada há 4 dias e a imagem faz parte de toda a sua comunicação gráfica: website, brochura e poster. Podem fazer o download da introdução à exposição, em formato pdf e em inglês, aqui - também fazemos serviço público por aqui, de vez em quando.

E assim se vai regredindo, a bem da moral e bons costumes, da sensibilidade e bom senso, blá, blá, blá... pergunto-me se estaremos muito longe de começarmos também a indignarmo-nos com cartoons de um profeta qualquer e sair para a rua queimando efígies do cartoonista autor em demonstração do nosso agravo.

10 comentários:

MiauMau disse...

estranhamente o ingles nao e um animal pudico, antes pelo contrario... por isso nao compreendo porque e que continuam a haver este tipo de leis. Trabalho em Soho onde convive o mundo cinematografico, gay e (infelizmente) da prostitiucao sem problemas e nenhuma dessas leis se faz sentir por aqui!! A liberdade existe sim... mas, a ceu aberto.

P.S: quando e que me vens visitar?

Graphic_Diary disse...

Querida estava a ver que nunca mais convidavas! :P
Será que é desta que eu meto os meus lindos pezinhos n.º 44 em terras de Sua Majestade... Quando é que me queres aí?
Ah, é verdade, muitos parabéns pela promotion (sua Narnienta!)

MiauMau disse...

quando quiseres!! estou a tua espera

Graphic_Diary disse...

Olha, yu não me provoques!
O que é o jantar? :)
(era bom que desse para ser assim!)

LG disse...

Londres é definitivamente a minha cidade...

excelente post.

Graphic_Diary disse...

Como não conheço, até à data estou rendido aos encantos de Paris e logo a seguir Barcelona.
Obrigado pela avaliação!
Um abraço

MiauMau disse...

o poster sobre Cranach nao foi censurado, aind hoje o vi na estacao de Warren Street em toda a sua gloriosa nudez!

PS: o jantar ontem foi ovos de tomatada... hoje ainda nao sei

Graphic_Diary disse...

Como dizia a notícia do Guardian:
However, the academy doesn't have a Venus under wraps. "We don't have a version B where she's got her clothes on," a spokeswoman said. "We're just hoping they change their minds and accept her."
Talvez por não haver uma versão B, como no caso da GT, a malta do Tube voltou atras e lá acabou por aceitá-lo!
Adoro ovos de tomatada, ainda esta semana pensei que não como disso há séculos!
Devia ter aceite o convite de ontem... damn!

pinguim disse...

Londres é uma cidade onde eu não me importaria de viver: está tudo dito!
Abraço.

Graphic_Diary disse...

Pinguim,
Eu já me contentaria com Barcelona.Paris seria um sonho!
Até à data, ambas são as minhas maiores referências. Londres ainda não sei, não tenho a experiência.
Mas penso estar para breve - a ver se perco a vergonha e cravo uns jantares à Miaumau :-)
Um abraço