quarta-feira, junho 11, 2008

Passar a barreira

E já cá estou oficialmente, do lado de cá da barreira dos 30’s.
Fala-se que os 30 são uma idade maravilhosa e tal e coiso. Da minha parte digo que, até à data, não encontrei nada merecedor dessa consideração. Afinal é só mais um ano, uma data, um número como outro qualquer. Não senti, nem me chegou, nada dessa suposta sensação de mudança, de maturidade, serenidade, plenitude, evolução, melhoria, de bem com a vida (seja lá o que tudo isso queira significar)... palpita-me que deve ser coisa para estar naturalmente embebido em nós, independentemente do número de anos que já vivemos neste planeta. Não é algo que aconteça do género chegar aos 30 e zás, qual fulminado por um raio, de repente tudo muda e tornas-te num ser humano pleno e maravilhoso... Nada disso!
O pior dos fenómenos ao passar a barreira dos 30 – algo que, em primeiro lugar, julgava ser folclore e em segundo estar completamente imune pelo facto de toda a vida ter sido magro qual pau de virar tripa (por norma tinha uma cova no lugar onde deveria estar uma protuberância – resultado de um estômago colado às costas) – esse sim já me chegou! Refiro-me ao aparecimento da famosa e malfadada ‘barriguinha de depois dos 30’ e alguma ligeira flacidez generalizada pelo corpo todo – a força da gravidade começa a ganhar-me!
Deduzo que esta mudança no corpo, como até já referi anteriormente aqui, seja em muito motivada pelos meus 162 dias sem tabaco, pelos meus últimos 52 dias de extrema ansiedade (desde este acontecimento) e bastantes conflitos interiores que me levam a comer mais e com maior frequência (ainda que muita dessa comida seja fruta) e pela ausência total de qualquer tipo de exercício tonificante que contrarie e retarde a ordem natural da queda das coisas. Lembrar-me de inscrever num ginásio (aceitam-se sugestões), antes que se torne irreversível...
É com este tipo de fenómenos, como o aparecimento de alguns cabelos brancos, o crescimento da testa (este fim de semana fui cortar o cabelo e fui aconselhado a manter o risco mais para baixo, para amenizar o avanço das entradas) que me apercebo de que não irei saber lidar muito bem com a minha ainda longínqua (m'engana que eu gosto!) velhice... talvez isso seja algo que chega com a ternura dos 40 (lembrar de perguntar a este grande querido - prelúdio de uma provocação para próximo dia 15 - se isso se confirma)... ah ah ah

7 comentários:

Arsène Lupin disse...

Espera pelos 35 que depois a gente fala.

beijos.

Hydrargirum disse...

Eu tb já passei a barreira dos 30...aliás vou fazer 32 daqui a 2 meses...

E até agora não detectei nenhum encanto próprio da Era!...a não ser o "odd" cabelito branco...

Lamento essas vicissitudes todas que atravessas...

E maldito País o nosso...:(País que me mata quando lá estou...e que me mata de saudades quando não lá estou:(

Os meus maiores votos de boa sorte!

António Rosa disse...

162 dias sem tabaco - um exemplo para eu seguir.

Gostei do seu blogue.

António

Graphic_Diary disse...

#Lupin,
Quer dizer que a coisa piora?
Não sei se aguento!!!
Um beijo grande

#Hydrargirum
Acompanho as Hydra-aventuras há tanto tempo e tanto me têm divertido - apesar de algumas serem verdadeiros dramas do que de melhor este nosso lindo Portugal possui - que ler agora o teu Hydra-comentário foi para mim uma espécie de privilégio... pensei algo do género "ele passa aqui!"
eh eh eh :)
Espero que esteja tudo bem contigo, aí pelas terras de Sua Madjestade (refiro-me à Madonna, of course!)
Um abraço e retribuição em dobro dos teus votos de boa sorte para ti!

#António,
Olá de novo!
162 dias livre, a sensação é mesmo essa! Vale a pena!!!!
Obrigado pela apreciação positiva aqui da minha tasca.
Um abraço

pinguim disse...

Graphic
os 30 são sempre uma data a comemorar, pois longe de te sentires velho, todavia estás mais rodado na vida e mais "armado" para o que der e vier. Esses sinais, cabelitos brancos a aparecerem, as entradas a aumentarem, a barriguita a crescer um pouco dar-te-ão um charme especial, acredita; eu já passei por isso há bastante tempo e sei do que falo.
Parabéns super atrasados pelos teus 30 anitos e toda a felicidade ao pé do teu rapaz e da família especial que tens.
Abração.

Graphic_Diary disse...

Pinguim,
Espero que venha o charme então!
Quando falo nos 30, refiro-me ao intervalo dos 30, à marca - já ultrapassada o ano passado. Este ano completei 31.
Obrigado e vai namorar!!
Um abraço

Paulo disse...

à parte dos números, o que importa é o estado do espírito: o corpo acompanhará esse estado... digo eu que não percebo nada disto, mas apeteceu-me dizê-lo que já passei a barreira dos 30 e nem notei ou notei e não me apeteceu pensar muito nisso.