terça-feira, novembro 25, 2008

Train Jumping

As razões que me levaram a aceitar o desafio de um novo trabalho numa área que, até à data, pouco me dizia, foram substancialmente financeiras: trabalhar com contrato como deve ser e não num esquema marado de falsos recibos verdes, estar a 5 minutos de casa e ainda ter almoço e jantar incluído. Não foi preciso pensar muito para aceitar uma proposta destas tendo em conta que em Lisboa eu estava a ganhar praticamente o mesmo – apesar de ser na minha área e de receber um pouco mais, estava sem contrato (e sem recibos!) e ainda com os custos elevados dos transportes e da alimentação.
Depois, porque gosto muito de cozinhar, pensei que seria uma excelente oportunidade de contactar com esta área a um nível profissional – esta parte enganei-me redondamente, uma vez que ter tempo para chegar perto da cozinha tem sido impossível mas, também, não é o género/processo (este é mais numa óptica industrial e não gourmet) de confecção que me atrai pelo que acaba por não ser grave de todo.
E foi assim que saltei, mais uma vez e bem ao meu estilo, para um comboio em andamento.

2 comentários:

pinguim disse...

Que bom, mudar para melhor...
Abraço.

Just me disse...

Sempre te admirei, mas agora ainda conseguiste subir mais...

Beijos