quarta-feira, janeiro 30, 2008

Emergência?


Excelente rábula do Ricardo Araújo Pereira, nos Incorrigíveis!
Pena ser baseado num facto real (para quem ainda não está a par - apesar de não se ter falado noutra coisa - comece aqui e depois aqui), deste país à beira-abismo sentado.

terça-feira, janeiro 29, 2008

Quem muito se agacha, mais o cu lhe aparece

Imagem daqui, provérbio português!
(depois explico, agora ainda estou muito furioso)

Coisas que eu sei

Site aqui, letra completa aqui.

As vezes dá preguiça
Na areia movediça
Quanto mais eu mexo mais afundo em mim
Eu moro num cenário
Do lado imaginário
Eu entro e saio sempre quando tô a fim

segunda-feira, janeiro 28, 2008

Some time with you

A semana passada, na sexta-feira se não estou em erro, esta música tocava aqui e eu ia lá de propósito só para a ouvir vezes sem conta. Nesta versão dos This Mortal Coil, a voz é linda, de embalar. Agora partilho-a aqui, com os que por aqui aparecerem.

You and Your Sister
This Mortal Coil - Chris Bell

You say my love for you's not real
But you don't know how real it feels
All I want to do is to spend some time with you
So I can hold you, hold you

Your sister says that I'm no good
I'd reassure her if I could
All I want to do is to spend some time with you
So I can hold you, hold you

Plans fail every day
I'd want to hear you say
Your love won't be leaving
Your eyes aren't deceiving

Fears will soon fade away
Smile now, don't be afraid
All I want to do is to spend some time with you
So I can hold you, hold you

So let me whisper in your ear
Don't you worry they can't hear
All I want to do is to spend some time with you
So I can hold you, hold you

domingo, janeiro 27, 2008

Fim de fim de semana

Estava preparado para passar o domingo a larvar no sofá, a embrutecer mais um dia em frente à tv, a maldizer a minha existência triste, quando resolvi dar ouvidos à minha mãe que me disse que não ficasse em casa a definhar e que fosse sair, ir viver, aproveitar o sol que estava. Então, depois de muita insistência da parte dela, lá a fui buscar e ao meu sobrinho e fomos dar uma volta.
É só um café, pensei com os meus botões enquanto guiava o carro até lá, mas depois de travar uma luta comigo mesmo, lá resolvi fazer algo diferente e fomos todos até a uma esplanada na praia de Albarquel. Não é a praia mais bonita daqui, mas é a mais próxima e, como ando de neura, resolvi não esticar a corda demais. Assim já estava bom. Chegámos lá, estivemos um pouco no café e depois resolvemos dar um passeio à beira da água.
Estava um sol maravilhoso. Havia muita gente também a passear por lá, famílias, casais de namorados, grupos de amigos, novos, velhos, crianças, cães, tudo com ar feliz - nem parece que se está num país à beira do abismo... Não há crise, não há recessão, não há aumento de preços, não há trabalho precário, não há desemprego, não há o que seja, que tire esta mania a esta gente lusa - assim que aparece um pouco de sol, larga tudo e segue em debandada para as praias. Temos uma país de merda, mas ao menos temos bom clima! Enfim, considerações deprimentes de fora, acabou por ser excelente!
De tanto que me fecho sobre mim mesmo acabo por esquecer o quanto me tranquiliza e faz bem ver o mar, apanhar sol na tromba... e está tudo aqui ao lado! A sorte que tenho por poder usufruir disso e não aproveitar... sou um parvo! Obrigado mãe e obrigado Quicas.

sexta-feira, janeiro 25, 2008

Para alegrar a coisa que é fim de semana

Um sujeito entra num bar novo, hi-tech, e pede uma bebida. O barman é um robô que pergunta:
- Qual o seu QI? O homem responde:
- 150.
Então o robô serve um cocktail perfeito e inicia uma conversa sobre aquecimento global, espiritualidade, física quântica, interdependência ambiental, teoria das cordas, nanotecnologia e por aí.
O tipo ficou impressionado, e resolveu testar o robô. Saiu, deu uma volta e retornou ao balcão. Novamente o robô pergunta:
- Qual o seu QI?
O homem responde:
- Deve ser uns 100.
Imediatamente o robô serve-lhe um whisky e começa a falar, agora sobre futebol, fórmula 1, super-modelos, comidas favoritas, armas, corpo da mulher e outros assuntos semelhantes.
O sujeito ficou abismado. Sai do bar, para, pensa e resolve voltar e fazer mais um teste. Novamente o robô lhe pergunta:
- Qual o seu QI?
O homem disfarça e responde:
- Uns 20, eu acho!
Então o robô serve-lhe uma pinga de vinho, inclina-se no balcão e diz bem pausadamente:
- E então meu, vamos votar no Sócrates de novo ?

Porque é que tem de haver sempre um título?

conceito copiado daqui , com origem ali
Ontem foi um dia bom, apesar de alguns contratempos, depois no final... nem cheguei a agradecer, sou mesmo uma besta... Obrigado pelos presentes, o último, já estou a usá-lo. :-)
O silêncio, o humor de cão, a distância no olhar e a dispersão no meu pensamento são coisas com que me degladio no momento e não consigo estar presente, no presente... shit! Fuck me!!Sorry... i need help.

quinta-feira, janeiro 24, 2008

Got Milk?

Fotos da colecção primavera-verão 07 do italiano Takeshy Kurosawa, retiradas aqui.

Face à luz das últimas notícias (1, 2, 3 e 4) - fenómeno que, como consumidor diário que sou deste produto, já me tinha apercebido e estranhado desde Novembro do ano passado nos corredores dos supermercados - imagens como as que se seguem poderão entrar em vias de extinção, ou sair bem mais caras.

Brincadeiras à parte, o verdadeiro problema é que, uma vez mais, lá anda o Zé Povinho a ser lixado com F grande! Já há quem diga que se trata de mais um lobby, desta vez dos produtores de leite, que mantêm os armazéns cheios, só para provocar escassez no mercado e assim aumentarem o seu valor. É a lei da oferta e da procura (aprende-se em marketing), aliás, é a lei da selva, cada vez mais frequente neste país.
Quando nos tirarem o acesso ao leite e ao pão (bens de primeira necessidade), pelos preços exorbitantes que querem praticar, vamos fazer o quê? Talvez beber champagne e comer caviar, começam a parecer alternativas acessíveis, passo a hipérbole.

Day 23

Para fazer o teste, é aqui.

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Record - 14

Acabava de escrever o post anterior e deparei-me com uma situação nunca antes registada na história deste blog. Para meu espanto e durante cerca de 10 minutos estiveram 14 visitantes on-line. Aqui fica o screenshot do blog no momento, assim como a página de estatísticas que atestam a veracidade deste acontecimento (carregar na imagem para ampliar). Que estranho fenómeno terá ocorrido?

O Mr Stress

Fui almoçar com as minhas manas, uma mais velha, outra mais nova que eu. Somos os manos da segunda fornada e fomos criados, crescemos, juntos... os mais velhos, da primeira fornada,(também três, mas ao contrário, dois meninos e uma menina no meio), já andavam noutras andaças. O motivo foi o aniversário da mais velha, por não termos estado juntos ontem.
Esperei 20 minutos por elas, à porta do restaurante. Depois de algumas tentativas infrutíferas para as contactar, onde se foi todo o saldo que restava no meu telemóvel, fui embora. Como moro ao pé do restaurante, fui para casa, subi para ir almoçar. Quando estava já a meter o garfo à boca, ligam-me para saber onde estava, que já tinham chegado, para eu deixar-me de merdas e ir ter com elas. Larguei o garfo e lá fui.
Entrei no restaurante a cuspir fogo, naturalmente depois levei com o rótulo de stressado e entre risos e arrasos lá descomprimi. A mana mais nova atirou a graçola de que deviam oferecer uma caixa de Stress Tabs juntamente com o Champix ... Agora a mais velha, pelo msn, deu-me o link para o site do Stress Tabs.
Acabei de fazer o teste e o resultado foi o que vêm na foto. Pronto, ganharam...
SOU UM STRESSADO!!!!

Heath Ledger

Morreu ontem, com 28 anos, um dos protagonistas de um dos melhores beijos da história do cinema. Mais informações, aqui, ou aqui (em pt).

terça-feira, janeiro 22, 2008

Idade de Cristo

Parabéns aqui à mana que completa hoje 33 anos. Estás velha!
Aqui vai um excerto do presente que te dei:

"Segunda–feira. Este novo ser de cabelo longo é um valente empecilho. Anda sempre à minha volta e segue-me para todo o lado. Não gosto disto; não estou habituado a ter companhia. Preferia que ficasse com os outros animais.
Terça-feira. Não posso nunca dar nome a nada. O novo ser dá nome a tudo o que aparece antes de eu poder esboçar um protesto. E o pretexto é sempre o mesmo: parece ser aquilo. Por exemplo um dodo, diz que, logo que se avista um, percebe-se que «parece um dodo». Vai ter de passar a chamar-se assim, sem dúvida. Desgasta-me tentar discutir sobre isso e nem vale a pena, de qualquer maneira. Dodo! Parece-se tanto com um dodo como eu!
Segunda–feira. O novo ser diz que se chama Eva.
"


Como este poderia ter sido um excerto do meu diário durante o tempo em que crescemos juntos e tinhas a mania que era a dona do pedaço! Que tenhas um dia feliz :-)

Day 21

Hoje sinto-me feliz comigo mesmo, pois desde que iniciei a minha batalha, há 21 dias atrás, já completei sete dias (168 horas, ou 10080 minutos, ou ainda 604800 segundos) completos sem fumar um único cigarro, sem aspirar uma única beata, sem snifar o fumo do bafo de algum fumador transeunte, mas, apesar de tudo, ainda conto os dias... Quando deixar de o fazer, de contar os dias, sei que a coisa está realmente tranquila e safa.
O mais incrível é que sinto-me mesmo bem e sem nenhum sintoma aparente de privação.
Acho que vou festejar esta minha conquista fumando um cigarrinho... just kidding!

Sair do Armário

Depois do que acontece nos segundos iniciais, podem avançar para os 3 minutos e vinte segundos, caso não tenham paciência para música árabe.
É só rir, apesar do politicamente incorrecto, é pelo tempo que demora a conseguir sair (terá ficado inconsciente?), é pela a câmara continuar a gravar, é pela musiquinha como se nada fosse.... faço ideia o sufoco que terá sido. Ele há com cada cromo/a na Internet!
Quem disse que sair do armário era fácil? eh eh eh :-)

sexta-feira, janeiro 18, 2008

Eureka!

Aqui a mana descobriu a pólvora.
Agora percebo, um bocadinho melhor, à luz dos termos da psicologia, o meu actual estado de espírito. Como diria o meu sobrinho: "Eh tiuh, táj tôd quêmad!"*

*Eh tio, estás todo queimado!

Ena, pá! É mesmo isto!


Vida de Cão
Ena Pá 2000

Vida de cão
Dormir com pulgas no colchão,
Vida de cão
Lamber as botas ao patrão,
Viver da televisão,
Trabalhar na construção
E ao domingo,
Ir com um puta para a pensão.

Vida de cão
É nao puder dizer que não,
Vida de cão
É encontrar um porcalhão,
Comer merda em vez de pão,
Engordar o tubarão
E ao domingo,
Beber tinto do garrafão.

Vida de cão
Viver à vista de tesão,
Vida de cão
É desabar no alcatrão,
Escorregar num cagalhão,
Bater com as trombas no chão,
E ainda por cima...
Foda-se,
Ser esmagado por um camião!

quinta-feira, janeiro 17, 2008

Day 16 - Saúde

Antes de entrar no jogo, fazia duas coisas bastante prejudiciais ao meu organismo. Uma delas é óbvia e razão pela qual entrei no jogo, a outra é o passar dias sem beber água - se calhar é por isso que sou tão sêco...(piada previsível).

Não me lembro sequer de o fazer, não tenho esse hábito e já tenho apanhado alguns sustos por causa disso... depois dos sustos obrigo-me a beber água, pois diz que é essencial para nós - afinal sempre temos, em média, 60% disso no corpo, alguma coisa lá deve andar a fazer.

Tudo isto para dizer que agora ando a matar coelhos aos pares, com uma só cacetada, pois de cada vez que me lembro que podia estar a fumar um cigarrito - é mesmo isso, é a cabeça que se lembra, pois o comprimido milagroso faz com que eu não tenha qualquer sintoma de privação física ou a ansiedade nos picos - levanto-me, bebo um copo de água e a ideia passa.

Resultado, além de não estar a fumar, ingiro com maior frequência o líquido precisoso. Quem fica a ganhar? EU, pois claro!

Finalmente...

...vou ter o prestígio que mereço!
Estão resolvidos todos os meus problemas. Se eu soubesse que era assim tão simples, já tinha feito isto há mais tempo. Ora vejam o que acabo de receber no email:

From: "Nikki Feldman"
Sent: Thursday, January 17, 2008 2:05 PM
Subject: Order a Ph.D
Get the prestige that you deserve today!
You Need a Better Degree, and we can Help!
Obtain the degree you deserve, based on your present knowledge and life experience. 1-501~634-6717

Maldito SPAM!

terça-feira, janeiro 15, 2008

Chumbinho

Adenda ao post anterior:
Durante o dia, depois de ter escrito o penúltimo post, fui recordando algumas das coisas que já fiz com este meu sobrinho/irmão, e outras coisas que a ele dizem respeito.
Antes de nascer já era uma criança improvável, uma gravidez de alto risco para a minha irmã (a quem nunca aconselharam que o tivesse, por questões de saúde - a ela também lhe deram poucos anos de vida, quando era criança e entretanto já passou dos 40 e tem dois filhos no currículo!). E lá acabou por nascer, ainda que puxado a ferros!
Outra das coisas que me lembrei era a alcunha que ele tinha em bebé e que deu o título a este último post. Lembrei-me também de uma fotografia, que não tenho, onde eu (com uns 9 anos) fui apanhado em flagrante a apertar-lhe o pescoço, num evento familiar qualquer.
Do passeio que fiz com a minha turma da António Arroio, no 11.º ano, em que fomos a Évora e pedi à minha irmã que mo deixasse levar (4.ª foto). Depois, ao entrarmos numa casa de jogos onde ele não tinha idade para estar, fiquei com um problema... como resolvi? Deixei-o com uma miúda que conhecemos nesse dia, a Vanessa (ainda me lembro do nome dela e ele também!), que se prontificou a tomar conta dele enquanto nós jogávamos... depois vi-me aflito para o encontrar - passou-me tudo pela cabeça, os meus colegas a meterem-me mais medo ainda e não havia o mediatismo das crianças raptadas - mas lá o encontrámos, muito divertido com a rapariga. Afinal ela era de confiança. Tive muita sorte dessa vez!
Por fim recordo-me da vez que o levei para passar as férias do Carnaval comigo, já em Tomar onde estava a tirar a minha licenciatura, tinha ele uns 13 anitos. Na noite de Carnaval em que saí com ele e com os meus amigos para um bar, ele apanhou a sua primeira bebedeira... e eu praticamente não dei por nada, só dei por ela quando tive que o levar a casa. Rico tio, sim senhor!
As velinhas foram sopradas há pouco, aqui em minha casa, com a família. Foram duas horas de casa cheia com os três sobrinhos mais novos a fazer o que as crianças fazem melhor - barulho. Agora já reina o silêncio.

23 Primaveras

Hoje também é dia deste cromo (na foto do meio com a mãe, minha mana mais velha, minha segunda mãe), que também é meu sobrinho, completar 23 anos. Aliás, em abono da verdade, está mais para irmão do que para sobrinho. Quando eramos miúdos, ele com uns 3 e eu com uns 9, fazia-lhe um montão de tropelias e estávamos sempre a implicar um com o outro. Lembro-me de o ter deixado cair ao chão, de cabeça, umas duas vezes pelo menos...
Apesar de despassarado, cabeça de vento, desregulado da mona (mea culpa?), é bom rapaz!
Já não me lembro muito bem o que foi ter 23 anos, mas deve ter sido bom. Tinha terminado a minha licenciatura, estava a viver na minha casa e já trabalhava... foi verdadeiramente o meu primeiro ano na vida de adulto, à séria... já lá vão sete anos!

Day 14

Hoje é dia de apagar o último cigarro, segundo ditam as regras deste jogo que ando a jogar. Parece-me que sim! Esta última semana atingi os 3/dia, agora é cortar de vez.
Pode ser sugestão, mas já sinto algumas diferenças, maior sensibilidade a cheiros e paladares, a pele e o cabelo parecem-me mais brilhantes (não, não deixei de tomar banho e isto não é oleosidade!), as calças já apertam na cintura (talvez esteja na altura de pensar num ginásio - agora com iva a 5%) e o mais curioso é que, praticamente, não sinto ansiedade nenhuma como nas tentativas anteriores.

segunda-feira, janeiro 14, 2008

Generosidade e Preconceito

Estava a ver esta curta metragem, de coração enternecido, com esta mensagem sobre o maravilhoso efeito, nos outros e em nós, do altruísmo da partilha quando tocam à campainha aqui da empresa. Subi as escadas e fui abrir a porta.
Dois homens, com não tão bom aspecto e um molho de calendários de parede na mão. Olho para a mão de um deles, o que segura nos calendários. Tem aquela tatuagem dos quatro pontos com um no meio, normalmente usada por aqueles que estiveram presos.
- Ex-recluso, talvez ex-tóxico... e estão a pedir - penso eu, mal ouço o que "o dos 5 pontos" me diz... - Somos de uma associação...blá, blá, blá - continuo a divagar enquanto ele fala, mil observações percorrem a minha cabeça, tem a pele e os dentes em mau estado, é baixinho e entroncado, faz-me lembrar aquelas pessoas do campo, com a cara talhada pelo frio, tem uns olhos pequeninos, fundos, de um azul fantástico, mas tristes. O outro é gordo, meio careca e com bigode, não diz nada, mal olho para ele...
O primeiro acabou de falar, não percebi nada porque não estava com atenção, tenho um calendário nas mãos e estão a pedir-me dinheiro, uma quantia simbólica para ajudar a tal da associação a que pertencem...
- Não tenho nada, peço desculpa!
- Não tem problema, pedimos desculpa pelo incómodo, muito obrigado e bom ano - disse "o dos 5 pontos" e seguem para as portas do lado.
- Obrigado eu e igualmente, com licença. - fecho a porta e desço as escadas - Que chatos! E eu a pensar que podia ser um cliente!
Volto para o filme que estava a ver... de repente, parece que levo uma cacetada na cabeça... então enterneces-te com a mensagem deste filme que tens à tua frente e acabas de fazer uma coisa destas? Que hipócrita, és ridículo!... Fico com vergonha de mim mesmo, vou à carteira, tiro duas moedas, "pode ser que ainda os apanhe", subo as escadas, abro a porta, já estão a sair da rua.
-Se faz favor! - chamo-os, com algum embaraço - Afinal tinha aqui umas moedas, dê-me lá um calendário.
Vêm os dois, "o dos 5 pontos", de novo, recebe o dinheiro, passa-me o calendário com um sorriso e depois agradece - Muito obrigado, aqui tem! Bom dia, tudo de bom, muita sorte e um bom ano mais uma vez. - se ele soubesse o processo que ocorreu na minha cabeça desde que lhes abri a porta pela primeira vez, tinha-me era chamado nomes feios!
Tenho o calendário aqui ao meu lado, não vou fazer nada com isto... é medonho, que layout tão mau (não lhe chamo mau design, porque isso não existe, ao ser mau, deixa de ser design e é outra coisa qualquer). Leio: Associação BETEL Portugal - Centro Gratuito de Ajuda ao Toxicodependente (www.betel.org). Penso: pode ser que sirva para alguma coisa...

Sinto menos vergonha de mim agora.

És dono do teu umbigo?

Manifesto
Seja magra. Seja bem sucedido. Seja infalível. Seja elegante. Seja boa filha. Seja loira. Seja rico. Seja sexy. Seja bonita. Seja brilhante. Seja bom pai.
Seja. Seja. Seja...
Cá entre nós, seja inteligente: seja você mesmo. Seja gorda, se quiser, vista-se como quiser, seja o que você quiser ser, recriando-se constantemente. Seja dono do seu próprio umbigo.
Cuide para que os sonhos e desejos que alimenta sejam realmente os seus. Afinal, não é difícil confundi-los com tanta pressão.
Abandone as amarras. Ignore os padrões impostos pela sociedade. A felicidade não está na beleza plástica das capas de revista, nem no falso brilho dos executivos de sucesso. Não está naquela roupa. No emprego dos sonhos. Não está no namorado, na família ou nos filhos.
Olhe mais para o seu umbigo e mergulhe de cabeça na sua vida. Seja paciente e entenda você mesmo. Seja compreensivo com seus defeitos e tenha orgulho de suas qualidades. Valorize o que você gosta, o que você é. De verdade.
E assim, você encontrará dentro de você.
De forma simples.
Quase que de repente.
A tal da felicidade

Saiba mais aqui. Encontrado através deste, também ele bom de vêr em dias menos bons.

domingo, janeiro 13, 2008

Desperate man

“Auto-retrato (O Homem desesperado) - 1843”,
pelo pintor francês, do séc. XIX, Gustave Courbet.

Este auto-retrato podia tê-lo pintado eu esta semana, se soubesse pintar assim, ou se soubesse pintar de que maneira fosse...
Há semanas assim, em que não há conforto um único dia em qualquer lado que estejas, em nada do que fazes, em ninguém que te rodeia. Foi assim comigo, durante toda a semana que já acabou. Espero que a próxima, prestes a iniciar, seja melhor, se não, não sei!

Já me questionei várias vezes se este sentimento não estaria a ser provocado por isto... Espero que não... mas tenho-me sentido como um trapo! Se é por isso, ao menos o lado positivo: ao fim de 12 dias só estou a 3 cigarros/dia, mais dois dias e tenho de parar com eles de vez.

Hoje para contrariar a minha vontade estúpida de inércia, fui ajudar o pardinho a acartar com a sua biblioteca itenerante; depois almoçámos na casa da mãe e quando eu já estava a fugir para me enfiar no meu sofá (para ir embrutecer em frente da t.v. ou perder-me nos meus pensamentos negativos) acedi, depois de alguma insistência, aos olhos lindos do meu sobrinho e lá fui com ele e com a minha mãe até ao cinema ver o Bee Movie. Sempre foram duas horas em que saí da minha vida e cheguei mesmo a rir. Obrigado!

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Boa publicidade

Apesar do atraso com que o vi este anúncio pela primeira vez (hoje, aqui) ainda assim, quero partilhá-lo. Produção nacional de 2006 pela Ogilvy Portugal para a MTV, em parceria com a Ozono Filmes e realizado por Bruno Pinhal. Muito bom!
Outro, também excelente, este sim já o vi várias vezes na MTV Portugal, também é de responsabilidade nacional, apesar da realização e produção serem estrangeiras. Igualmente bom e mais forte ainda!

Sismozinho

Estou a trabalhar em casa, sinto o monitor e o candeeiro que tenho na secretária a abanarem. Pensei: "estou a carregar com demasiada força no teclado"...
Cerca de meia hora depois, na SIC Notícias, ouço a notícia que mais gente sentiu um sismo no sul do país. A intensidade foi de 4.7 na escala de Richter e teve epicentro a sudoeste do Cabo de São Vicente. Foi sentido desde o Sul do país até à zona da grande Lisboa, pelos relatos e testemunhos que foram chegando à redacção daquele canal.
Segundo o site do Instituto de Meteorologia, divisão de Sismologia, a informação confirma-se:

DATA: 2008-01-11 HORA: 00:21 LAT.: 36.62 LON.: -9.81
MAG.: 4.7 LOCAL SW do C.S.Vicente

Tens de teclar com menos força, tens! Ai, ai...

quinta-feira, janeiro 10, 2008

And the oscar goes to...

...CANHA
Pois é, contrariando todas as afirmações do Ministro das Obras Públicas, Mário Lino, desde ao "deserto da margem sul" até ao "jamais, jamais", parece que a localização sobre o tal do novo aeroporto internacional de Lisboa sempre recaiu sobre a opção Alcochete (de Alcochete tem só o nome, Campo de tiro de Alcochete, pois a localização correcta é mais propriamente em Canha perto do Montijo), mesmo correndo o risco de possíveis atentados bombistas, como referiu Almeida Santos.
Depois de toda esta novela estranho é continuar a vêr o Sr. Ministro sentado na cadeira... Já não há políticos com vergonha na cara, preferen continuar agarrados ao tacho a assumirem as suas derrotas e demitirem-se!
Quanto ao Aeroporto, vamos ver se a novela terminou mesmo aqui ou se em 2017 (data prevista para a conclusão da construção) ainda andamos a discutir este assunto.

Vaidade

A propósito deste post que fiz há uns tempos atrás, recebi ontem no meu email uma mensagem que me deixou todo vaidoso! Mais que vaidade, senti-me orgulhoso e contente por sentir que este meu espacinho até pode ter alguma utilidade!
Espero que a mensageira não se importe mas não resisto a partilhá-lo, por isso aqui vai o email:

"Olá! Hoje andei a investigar uma palavra em sueco (sou linguista e tenho uma amiga que está a viver na Suécia e às vezes coloca-me questões interessantes...) Desta vez, a questão era se a palavra "föda" tinha a mesma origem que uma nossa muito parecida. Dizia ela que essa palavra significa "nascer" em sueco. Entre outras coisas que descobri, cheguei a um post teu que achei muito giro e que me ajudou a elaborar uma resposta. Serve este mail para te agradecer a investigação que fizeste e para te convidar a ir ver o meu blog, caso te apeteça... Sem mais, boa noite! (...)"

domingo, janeiro 06, 2008

Day 5

Seguindo o conselho deste gajo e depois de ter procurado em não sei quantas livrarias on-line e em centros comerciais, o resultado era sempre "esgotado", ontem, em Lisboa, na Bulhosa de Campo de Ourique, onde entrei já sem grande esperança, lá consegui comprar o livro (o último!). Comecei a ler e parece-me interessante. Depois conto se valeu a pena ou não a compra!
Quanto ao resto, no quinto dia do tratamento, consegui reduzir consideravelmente o consumo, mas ainda não parei de todo. Fumava cerca de 20 cigarros/dia, agora estou reduzido a uma média de 7/dia. Obviamente que não sinto ainda grandes sintomas de privação, até porque ainda tenho a bela da nicotina a entrar no organismo, mas começo a sentir-me melhor em alguns aspectos, não sinto grande ansiedade e tem sido pacífica a redução.
Conto em escrever, daqui a 9 dias segundo a bula do medicamento, que já não fumo mais e que não estou stressado por isso - seja graças ao Champix, ou à nova lei onde é proibido fumar em todo o lado, ou ainda, agora, com a ajuda de mais este livro. :-)

Na mouche!

Your Horoscope for JANUARY 06, 2008
Sometimes it's hard for you to stick to a romantic relationship. You tend to be an idealist, dreaming constantly of perfection, when sometimes love comes down to dealing with your partner's dirty socks! Try not to spoil something that has real potential just because you're feeling restless. If you feel like making a change today, maybe you and your partner should just try to get into a new routine.

quinta-feira, janeiro 03, 2008

Smoking Santas

Aproveitando os últimos pozinhos da época festiva que atravessámos e face ao assunto que anda na boca de toda a gente desde o primeiro dia do ano, relembro que, há não muito tempo atrás (na anterior década de 50), ainda era concebível este tipo de associações:

Pois é, utilizar a imagem de um Pai Natal fumador para vender cigarros não trazia qualquer problema de consciência, ou legal, aos publicitários. Num destes cartazes publicitários, o da minha marca de eleição "Lucky Strike" (o último da direita), pode mesmo ler-se o seguinte no bilhete escrito pelo Pai Natal:
A Gift Of Pleasure
My spirit - the spirit of Christmas-giving - is abroad in the land. A gift that expresses that spirit, and brings pleasure to everyone, both great and small, is rare indeed. Such a gift, my friends, is LUCKY STRIKE. Santa Claus
Luckies - a light smoke
Nos dias que correm seria impensável fazer tal afronta, à saúde e bons costumes respiráveis, sem que caissem em cima do pobre do criativo todas as associações defensoras de qualquer coisa politicamente correcta.

Byblos

Dia 30.12.2007 dei um saltinho a Lisboa e fui ver com os meus olhos a hiper-mega-ri-fixe livraria do momento, a Byblos, a qual já tinha falado aqui.
Não me surprendi, nem fiquei de queixo caído como esperava. Achei mínima a secção de design gráfico (qualquer Bertrand, Fnac ou Bulhosa de centro comercial tem mais títulos), a secção de press muito fraca (nenhuma revista na minha área, mais depressa encontro-as nas lojas da cadeia Presslinha), enfim, faço minhas as palavras de quem já tão bem escreveu sobre a experiência, não tão positiva quanto isso, de passar por lá. Ah! E continua a ser impossível comprar on-line, através do site. Talvez volte lá daqui a um ano, para ver como a coisa corre então, antes disso, provavelmente, não me apanham lá!

quarta-feira, janeiro 02, 2008

Day 1

Durante toda a minha adolescência fui um acérrimo defensor dos não fumadores, um extremista sempre a implicar com as minhas irmãs que começaram a fumar muito cedo. À excepção da minha mãe e eu, na minha família todos fumavam, pai, irmãs e irmãos. Hoje continua igual, com a diferença que também eu fumo!
Comecei aos 19 anos, idade mais que suficiente para ter juízo, durante a primeira época de exames no primeiro ano do meu curso e nunca mais parei... Na altura, pelo stress, sabia-me bem e achava que depois conseguia parar. Mas não consegui e continuo até hoje. Já lá vão 11 anos... pois é, time flyes!
Hoje em dia sinto, cada vez com maior frequência, que fumo mais pelo vício e pelos gestos habituados, do que pelo real prazer que tiro de um cigarro. Posso dizer que, numa razão de 75/25, os cigarros que fumo devem-se ao vício e não ao bem que me sabem. Irrito-me com o cheiro do tabaco em mim e nos outros, na roupa, no cabelo, dentro de casa, o fumo arde-me nos olhos e incomoda-me cada vez mais, a imagem de um cinzeiro cheio de beatas repugna-me, só para mencionar algumas coisas que sinto em relação ao tabaco neste momento.
Ainda assim não páro, como é possível?!? Serei assim tão atrasado mental? (são estas as lutas interiores que travo comigo mesmo). Está mais que na altura de fazer alguma coisa, por isso comecei hoje mais uma tentativa (a quarta, pelas minhas contas) para deixar este vício.
Esta minha decisão não se deve a nenhuma resolução de ano novo; não se deve a um qualquer receio em arder na fogueira - agora que começou a caça às bruxas fumadoras, com a nova lei anti-tabágica (quanto muito, a limitação de lugares para fumar, poder-me-á ajudar a não pensar tanto na sua falta).
Deve-se a querer sentir-me melhor, querer cheirar melhor, respirar melhor, saborear melhor e todas as coisas que nos dizem que passamos a fazer melhor depois que deixamos de fumar.
Para isso vou contar com a ajuda do Champix (Chantix nos States, passo a publicidade) e, apesar dos possíveis efeitos secundários nefastos, os quais tanto se falaram há coisa de meio mês atrás (aqui, ou aqui ou ainda aqui, para mencionar algumas fontes), vou arriscar!
Mas ainda assim não consigo deixar de pensar que, por causa desses possíveis efeitos secundários que mencionam pensamentos e actos depressivos e suicidas, afinal deixar de fumar, também pode matar. Vai daí, lembrei-me de fazer uma brincadeira no Photoshop e construir a foto que ilustra este post. Veremos se daqui a 14 dias o bom humor se mantém como agora.
A ideia, com este tratamento, é deixar de fumar depois do 14º dia, mantendo-se a medicação durante mais uns três a seis meses. Vamos lá a vêr como é que isto vai correr.
Entretanto eu vou fazendo por aqui a actualização da minha evolução durante este processo, se não me matar entretanto! Fiquem atentos...

dois mil e oito vezes dois

Este ano, num convite de última hora da R. e do N. que prontamente aceitámos, fizemos "something completely different" na passagem para o novo ano: festejámo-la duas vezes!
Assim sendo, rumámos até à Badajoz de nuestros hermanos para uma primeira celebração (sem caramelos) e depois zarpámos até Elvas para a segunda dose.

Em Badajoz, na Plaza de España, a coisa estava bem organizada, a animação era maior, com três dj's e um orador de laçarote ao pescoço; havia muita gente na rua, bolas de sabão pelo ar, muitas bombinhas barulhentas (tradição parva... era com cada petardo que largavam, parecia uma zona de treinos da ETA), mas também havia muita humidade, frio e nevoeiro no ar. À meia noite lá comemos 12 uvas, (sim, UVAS! é tradição local), saltámos um bocadinho e brindámos a um feliz 2008 espanhol.
Ficámos uns 15 minutos por lá e depois, qual máquina do tempo, assim que atravessámos a fronteira, voltámos para 2007 a tempo de despejarmos mais uma garrafita de espumante no lado português. Já em Elvas, na Praça da República, o frio era maior, mas sem a humidade e o nevoeiro; a organização não existia, não havia música nem qualquer espécie de animação na rua, nem se deu pela contagem até à meia noite; pessoas também eram muito poucas, mas em compensação o fogo de artifício durou 20 longos minutos em contraponto com os 5 minutos do lado espanhol. Foi diferente e divertido!